sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Cera, Própolis, Cerume e Geoprópolis.

Para as abelhas sem ferrão, esses são os principais materiais utilizados para construção. Dependendo do objetivo do meliponicultor as abelhas podem produzir mais ou menos de cada um destes produtos.

Identificação dos produtos.

Cera- é produzida pelas abelhas através de glândulas localizadas em seus abdomens, e normalmente as mais jovens são as mais produtoras. Diferente da Apis, as ASF não a utilizam pura na construção dos potes e dos favos de cria.

Própolis - é uma mistura de resinas retirada das plantas medicinais pelas abelhas, plantas que possuam algum poder antibiótico. É utilizado pelas ASFs principalmente para compor o cerume, dando-lhe maleabilidade e servindo como esterilizante da colméia devido as suas propriedades antibióticas e fungicidas.

Na colméia ela é encontrada em pequenas bolotas, por vezes grudado perto da entrada ou nas laterais e em menores quantidades vedando pequenas ranhuras.

Tenho observado que as ASF coletam dois tipos de própolis:
Um bem pegajoso que utilizam para misturar a cera e fazer o cerume, como é possível ver na foto abaixo.

Foto 01(click na foto para ampliar)
O outro é mais seco e duro, idêntico ao da Apis, que normalmente utilizam para vedar frestas menores. Conforme mostra a foto abaixo.
 
Foto 02 (click na foto para ampliar)

As frestas maiores que permitem a passagem de luz e ar normalmente são fechadas com geo-própolis (foto 03).

 Cerume - é o que chamamos de “cera”, na verdade, esse material que elas utilizam para construírem os potes e os favos de cria é composto de cera e própolis. É maleável, reutilizável e tem coloração escura por causa da própolis.

Depois de muitas tentativas, consegui chegar a uma receita que se assemelha ao cerume produzido por elas. E para economizar a própolis, visto que armazenam em pequenas quantidades, eu acrescentei óleo vegetal que tem a função de deixar maleável este cerume artificial. Tem tido boa aceitação para todas as espécies que testei, desde jandaíra, uruçu-mirin, mosquito, moça branca etc. A receita detalhada encontra-se AQUI.

Geoprópolis – Existem pessoas que ainda confundem própolis com geoprópolis e vice- versa. Mas as diferenças entre eles são muitas.

O geoprópolis é aquele barro que encontramos nas colméias de meliponídeos. É um composto de própolis. Própolis + argila (barro).

Foto 03 (click na foto para ampliar)

Normalmente utilizam para vedar frestas maiores. Existem enxames que possuem uma tendência maior em trabalhar com ele, assim como existem enxames que são mais produtores de mel, pólen ou própolis. A quantidade desses produtos varia de acordo com a genética e a espécie.

Naqueles enxames que produzem bastante geoprópolis, que basta uma frestinha e já estão fazendo uma parede dentro da colméia, deve-se ter o cuidado de evitar as frestas. Sempre que fizer uma revisão é importante raspar a tampa da colméia e as bordas com ajuda de um formão ou uma faca afim de que a colméia fique bem vedada. Esse material resultante da raspagem pode ser utilizado para fazer o extrato de geoprópolis ( geoprópolis + álcool de cereal ou álcool neutro) que pode ser usado para iscas.

O excesso de geoprópolis dentro da colméia pode resultar em perda de espaço ou até mesmo perda do enxame, caso venha a cair por cima das crias e da rainha.


Qualquer dúvida, sugestão ou até mesmo acréscimo de informação sobre esta postagem fiquem à vontade para comentar.

Att: Isaac Soares de Medeiros

3 comentários:

  1. Parabéns Isaac!
    Gosto muito do Seu blog, sempre trazendo novidades e com ótimas fotos.
    Estou te seguindo no Picasa.
    Antonio Souto - RS

    ResponderExcluir
  2. o geopropolis pode ser utilizado para confeccão de atrativo para iscas pet ?

    ResponderExcluir